segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Alpinestars lança coleção de vestuário off road 2017




A Alpinestars antecipa a chegada da coleção de vestuário Off Road 2017 e faz o lançamento ainda em agosto. Sua distribuidora no Brasil, a Star Racer, anunciou nessa semana à rede de revendedores, o lançamento da Coleção.

A partir dessa semana, as lojas já receberão os conjuntos que este ano, além dos novos grafismos, trazem também a novidade dos conjuntos infantis e uma grande evolução no desenvolvimento das peças que agregam novos tecidos com tecnologia de estiramento em várias direções, para proporcionar o máximo de conforto e mobilidade sobre a moto.
A coleção está com um visual agressivo, atraente e preços interessantes dentre as marcas internacionais.




quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Veteran Motorcycle Rock espera reunir 40 mil pessoas em Sumaré


Confira todas as atrações do Veteran Motorcycle Rock, 
que será realizado no Paraíso das Águas em Sumaré, interior 
de São Paulo, entre os dias 15 e 18 de setembro





Sumaré, cidade localizada na região metropolitana de Campinas (SP), irá sediar o Veteran Motorcycle Rock, um evento de música, entretenimento e encontro de motociclistas que espera receber mais de 40 mil pessoas nos quatro dias de atrações, de 15 a 18 de setembro.

O local escolhido para abrigar a edição 2016 é o parque aquático Paraíso das Águas. O ambiente com mais de 260 mil metros quadrados será adaptado para receber os visitantes e contará, entre outros, com um palco de 14 metros de largura com painel de LED, onde se apresentarão diversas bandas cover como Gun’s and Roses, Queen, Kiss e Elvis Presley.

Além dos shows, o evento contará com um espaço dedicado aos expositores. Destaque fica para as revendas de motocicletas que apresentarão modelos de diversas marcas. O espaço também irá receber lojas de assessórios, camisetas, bijuterias e produtos de decoração temáticos. Os fãs dos veículos de rodas também terão a oportunidade de ver de perto uma exposição com mais de cem modelos clássicos, alguns deles exclusivos no Brasil, pertencentes aos associados do Veteran Motorcycle.

E para completar, o evento abrigará uma Praça de Alimentação com cardápio diversificado, além de Food Trucks que irão oferecer lanches mais sofisticados. O Veteran Motorcycle Rock conta com a parceria da Prefeitura de Sumaré, através das secretarias de Turismo e Eventos e Meio Ambiente e tem a realização da GPS Eventos e MKT do Motorcycle Rock Limeira.

Ingressos e estacionamento:
Quinta- Feira - 15/09 - ENTRADA GRATUITA
Pacote para os dias: 16, 17, 18 - R$ 15 (quinze reais)
Ingresso para um dia de evento: R$ 10 (dez reais)
Estacionacionamento GRATUITO para motocicletas
Estacionamento para carros: R$ 20 (vinte reais)


Horário de abertura dos portões:
Dias 15 e 16/09 - 18h até 1h da manhã
Dia: 17/09 - sábado - 12h até 1h da manhã
Dia 18/09 - domingo - 10h até 20h 

Programação de shows: 
Quinta (15): bandas cover de O Rappa e Charlie Brow Jr.;
Sexta (16): bandas cover de Gun’s and Roses e AC/DC;
Sábado (17): bandas cover de Creedence, Raul Seixas, Queen, Ozzy Osbourne e Kiss;
Domingo (18): bandas cover de Elvis Presley, Legião Urbana e Classic Rocks. 

Parque Aquático Paraiso das Águas:  Rua Angelo Ongaro, 1700 - Casarão - Sumaré - interior de São Paulo
Curta a página do Veteran Motorcycle Rock no FACEBOOK
Acesse o vídeo oficial do evento no YOUTUBE

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Ducati apresenta a nova Diavel na concessionária em Campinas

A concessionária Ducati em Campinas integra o road show de lançamento e pré-venda da Diavel, e apresenta à imprensa e convidados o modelo nesta quarta-feira, dia 17 de agosto. A concessionária fica na Avenida Brasil, 342, bairro Guanabara. Durante o evento, os convidados poderão conferir os detalhes do novo modelo e sentir a emoção de sentar-se na motocicleta, que já é objeto de desejo antes mesmo de seu lançamento. Segundo o diretor comercial da Ducati Campinas, Eduardo Lelis, há lista de espera para a XDiavel.  A Ducati Campinas foi inaugurada em 24 de julho de 2013. A revenda de 1023 metros quadrados segue totalmente os padrões de layout da Ducati, empresa do Grupo Audi, e é a maior do Brasil.

domingo, 14 de agosto de 2016

Ducati Scrambler Icon, para quem busca estilo


Marca italiana quer conquistar e fidelizar público jovem

Scrambler Icon chama a atenção pela aparência retrô revigorada e tecnologia embarcada

Por Jorge Massarolo

Para quem procura uma motocicleta que faça diferença, a Ducati Scrambler Icon é a receita. Versão de entrada da família Scrambler, a Icon chama a atenção pela aparência retrô revigorada e, ao mesmo tempo, pela tecnologia embarcada. Seu desenho remete à antiga Ducati, fabricada nas décadas de 60 e 70, que a tornaram uma lenda dentro da marca. Para os mais puristas, ela é a essência do motociclismo: duas rodas, guiadão largo, um motor simples e potente, pneus para todo terreno e muita diversão.


Está lá, escrito na tampa de alumínio do tanque “Born in 1962” (nascida em 1962), para ninguém esquecer sua origem. É com esta máquina de estilo diferenciado que a Ducati busca conquistar um público jovem, que acabe fidelizando à marca. E para isso o preço também ajuda. A Icon é a mais barata. Nas versões seguintes da Scrambler, que se diferenciam em detalhes – Urban Enduro, Full Throtle e Classic – os preços vão subindo.
Mas, o que é uma moto Scrambler? O nome surgiu na década de 50 para designar as motos de asfalto adaptadas para corridas do tipo enduro, com pneu para terra, escapamento alto e guidão largo, com a barra que evitava que ele entortasse nas quedas. Até esta época não se faziam motos com uma função específica. Era o sujeito que adaptava ao seu gosto. Assim surgiu o estilo Scrambler. 




A Icon é isso. Uma motocicleta despojada, sem mimos, apenas com o necessário para uma pilotagem confortável e segura. Apesar de o seu motor com 803 centímetros cúbicos de cilindrada, que geram 75cv a 8.250 rpm, ela não tem controle de tração ou modos de pilotagem. Seu rendimento beira o bruto, com muita força desde as arrancadas e nas retomadas. Ela é arisca, pedindo uma mão direita suave no acelerador, pois além de tudo é leve, pesa 170 quilos. Acelerou demais, ela sai empinando. Além, disso, o motor Ducati Desmodrômico, com dois cilindros em L, derivado da Monster 796, recebeu novo cabeçote, que entrega mais força em baixas e médias rotações. Refrigerado a ar, tem o auxílio de um radiador de óleo vertical, injeção eletrônica e câmbio de seis marchas. Ele vibra pouco e roda em baixa rotação sem reclamar. Em rotações mais altas, as acelerações são fortes e lineares, com os 75 cv surgindo a 8.250 rpm. O inconveniente fica por conta do calor que joga nas pernas, mas isso é o de menos. 


Conforme se espera de uma Scrambler, minimalismo e carência de excessos são qualidades inerentes. O design redondo e “descolado” está ao redor do chassi de aço em “treliça”. O tanque em formato de gota leva 13,5 litros e tem painéis laterais de alumínio escovado. Os freios ABS são da Brembo e os pneus Pirelli MT 60 RS foram exclusivamente desenvolvidos para a Scrambler. Aliás, os pneus de uso misto, além de bonitos, aderem muito bem à terra e garantem uma boa pilotagem na estrada. Era de se esperar um grande ruído devido ao seu desenho “borrachudo”, mas que nada, é silencioso e garante uma boa frenagem. 


As rodas dual sport são em liga leve, sendo aro 18 na dianteira e 17 na traseira. A suspensão dianteira é invertida de 41 milímetros (mm) de diâmetro com 150mm de curso e a traseira com monoamortecedor Kaiaba com ajuste de pré-carga. Não é uma suspensão “mole”, mas garante firmeza na estrada e em curvas acentuadas. 



Modernidade






Alguns ares de modernidade são notados no clássico painel redondo posicionado mais à direita do guidão, mas totalmente digital em LCD, e no globo de LEDs que circunda o farol, iluminação que também recheia a lanterna traseira. Sob o banco tem uma entrada USB. E só.  Como toda clássica, ela não tem indicador do nível de combustível no painel, somente uma luz indicadora de que entrou na reserva.
O motor possui tampas de alumínio usinadas, incluindo as da embreagem e alternador. Os dois protetores de correia também são feitos de alumínio e foram, de maneira semelhante, usinados para aperfeiçoar a estética.
O escapamento com silenciador em alumínio foi projetado especialmente para a Scrambler. A ponteira de escape curtinha emite um ronco esportivo e vem com uma placa protetora de calor também em alumínio para maior segurança do piloto.






A Scrambler é leve e ágil na cidade. A altura de 790mm do banco garante posição de pilotagem confortável também para os baixinhos. Além do estilo diferenciado, a Icon anda bem em qualquer terreno. Na estrada ela vai firme e forte, e na terra se comporta muito bem, jogando pedras para trás e mantendo seu curso sem a menor dificuldade. Sua vocação é o asfalto e desfilar seu estilo retrô-chique pelos pontos mais badalados da cidade, mas ela encara bem aquela estrada de terra no fim de semana para quem gosta de contato com a natureza.

Visão geral e características da Scrambler – Icon

      -   Cor: amarelo ‘62 com quadro preto e assento preto
-  Tanque de aço em formato de gota com painéis laterais em alumínio intercambiável
-  Banco baixo (790 mm) para uma perfeita maneabilidade
-  Leveza (170 kg peso seco) e baixo centro de gravidade
-  Amplo guidão para uma posição de pilotagem confortável
-  Farol redondo com anel de LED ultramoderna
-  Lanterna traseira com tecnologia de LED para uma iluminação expandida e evolvente
-  Painel de Instrumentos de LCD
-  Motor L-twin resfriado a ar de 803 cm³
-  Protetores da correia de alumínio usinados
-  Quadro de aço tubular Treliça duplo
-  Braço oscilante traseiro em alumínio fundido
-  Roda com 10 raios em liga leve, 18” dianteira e 17” traseira
-  Pneus Pirelli Dual Sport  projetados para a Scrambler
-  Freio a disco nas rodas dianteira e traseiras com ABS de série
      - Compartimento embaixo do banco com entrada USB

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

BMW anuncia novas configurações para a BMW R 1200 GS e BMW R 1200 GS Adventure



Ø  Modelos com pacote Premium + ganham assistente de troca de marchas Pro e sistema de partida sem chave;
Ø  BMW R 1200 GS também contará com o novo pacote Sport +;
Ø  Motocicletas estão disponíveis nas concessionárias .




A BMW Motorrad Brasil, divisão de motocicletas do BMW Group Brasil, amplia seu portfólio de motocicletas com as novas configurações para os modelos BMW R 1200 GS e BMW R 1200 GS Adventure. As duas motos passam a contar com a opção de pacote Premium +, e a BMW R 1200 GS também passa a ser disponibilizada com o pacote Sport +. A BMW R 1200 GS Sport + terá preço sugerido de R$ 63.900 enquanto os modelos BMW R 1200 GS Premium + e BMW R 1200 GS Adventure Premium + estarão disponíveis a partir de R$ 74.900 e R$ 84.900, respectivamente.



A nova configuração Premium +, para ambos os modelos, tem o assistente de troca de marchas Pro, um sistema que permite a mudança para uma velocidade mais alta ou mais baixa sem o acionamento da embreagem ou punho do acelerador, em praticamente todos os regimes de carga e de rotações. Já o novo sistema de partida sem chave (Keyless Ride), também disponível na nova configuração Premium +, substitui a fechadura convencional de ignição ou direção. Com isso, o uso da chave mecânica para dar partida no motor ou abrir a tampa do tanque é dispensável e, desta forma, a chave comandada por ondas de rádio pode permanecer junto ao piloto. Os clientes também podem optar pela moto com o kit de rebaixamento, o qual reduz a altura do assento em relação ao solo em 50 mm, proporcionando, assim, maior comodidade e conforto ao piloto. 


Disponível para a BMW R 1200 GS, a configuração Sport + oferece, além dos itens de série, o ABS Pro, controle de velocidade cruzeiro, luz de frenagem dinâmica – mecanismo que avisa quando o motorista da motocicleta freia forte ou realiza uma frenagem de emergência em dois momentos: quando a motocicleta desacelera em velocidades acima de 50/ km/h, a luz de freio pisca com uma frequência de 5Hz; e quando a motocicleta está se aproximando da paralisação (velocidades abaixo de 14 km/h), as luzes de emergência são ligadas até que a moto atinja a velocidade de 20 km/h. Além do opcional ‘Modos de Pilotagem Pro’, o qual oferece, além dos modos Rain e Road (de série), também o Enduro, Enduro Pro e Dynamic, que trabalham gerenciando a distribuição da potência do motor, a rigidez da suspensão eletronicamente ajustável e os sistemas ASC (Controle de Tração) e de freios Integral ABS, oferecendo uma pilotagem segura e emocionante, independentemente do nível de aderência do piso.

Os modelos BMW R 1200 GS e BMW R 1200 GS Adventure são equipados com o consagrado motor boxer de 2 cilindros com potência de 125 hp e torque de 125 Nm, além do ajuste de suspensão dinâmico (ESA), controle automático de estabilidade e controle de pressão dos pneus (RDC) que podem ser ajustados nos diferentes modos de pilotagem para atender às necessidades do piloto adepto ao off-road.

Os modelos permanecem com produção em solo nacional, em Manaus (AM).

Os novos pacotes são comercializados também pelo plano de financiamento BMW Select, oferecido pela BMW Serviços Financeiros, de acordo com o qual a BMW R 1200 GS Premium + pode ser adquirida com entrada de R$ 27.950 e 24 parcelas mensais de R$ 1.114, mais parcela final e frete. No caso da BMW R 1200 GS Adventure Premium + o valor da entrada é de R$ 30.836 e as parcelas mensais são de R$ 1.299, mais parcela final e frete. Já para a BMW R 1200 GS Sport +, a entrada é de R$23.004 e as parcelas mensais são de R$ 999, mais parcela final e frete.

Fonte: Assessoria de Imprensa da BMW

terça-feira, 26 de julho de 2016

Yamaha XT66OR e Ténéré 66OZ, "irmãs" boas de briga


Fotos- Verônica Cardoso
A XT 660R é espartana e ágil, boa para andar na cidade e se divertir na terra, mas falta conta-giros e marcador de gasolina no painel

Por Jorge Massarolo

Traçar um paralelo entre XT 660R e a Ténéré 660Z com ABS é como comparar, a grosso modo, duas irmãs. Afinal, elas têm origem na mesma família, o mesmo motor monocilíndrico de 659,7 cilindradas, 4 tempos, SOHC e refrigeração líquida, 4 válvulas e potência máxima de 48 cv a 6 mil rpm, mas o mapeamento eletrônico é diferente. Justamente para adequar aos perfis de cada modelo.

É esta pequena diferença que torna a XTR mais explosiva. Na família, ela seria a jovem rebelde, forte, potente, cheia de energia e pronta para sair com o nariz empinado e jogando pedra para trás a qualquer momento. Já a Ténéré tem todas as características da irmã rebelde, mas é mais controlada e madura.
 A lendária Ténéré 660Z é uma Touring Adventure e chama a atenção por onde passa pelo seu estilo imponente e agressivo, com destaque para o para-brisa 

As duas têm a mesma altura, 865 milímetros do solo, o que exige um pouco mais de perna do piloto, mas a Ténéré passa a impressão de ser mais alta devido ao grande tanque de combustível que comporta 23 litros, contra 15 da XTR. Aí já dá para perceber o perfil de cada uma. A Ténéré foi concebida para a estrada, apesar de enfrentar tranquilamente o trânsito urbano. Rodei cerca de 800 quilômetros, sendo uns 450 na estrada e obtive a satisfatória média de 21km/l, ou seja, o tanque dá uma autonomia de até 450km, ideal para longas viagens. Já na cidade, esta média cai para 18km/l.


ESTRADA
Falando em estrada, outra diferença entre as duas motos é o para-brisa frontal que equipa a Ténéré. Enquanto na XTR o peito recebe toda a resistência do vento, tornando uma viagem acima de 130km/h mais cansativa, na Ténéré o para-brisa desvia o vento para os lados e para cima. É possível manter alta velocidade confortavelmente. No entanto, se o piloto for um pouco mais alto, o para-brisa joga o vento no capacete, provocando turbulência e barulho. Para evitar isso, muitos motociclistas têm adaptado defletores para deslocar o ar mais para cima.


Se a Ténéré reina na estrada, a irmãzinha rebelde leva vantagem no trânsito urbano. Ela é ágil, esperta, fácil de manobrar, se esgueira entre os carros com grande facilidade, como se fosse uma moto menor. A Ténéré também faz tudo isso, mas seu porte avantajado não permite muitas liberdades. É bom lembrar que a Ténéré pesa 215kg, contra 181kg da irmãzinha, uma diferença de 34kg. No entanto, sua altura permite trafegar livremente pelos corredores sem atingir nenhum retrovisor. Do asfalto para a estrada de terra, não precisa falar muito. A Ténéré foi sete vezes campeã do rali Paris-Dakar. A XTR segue a mesma linha e por ser mais espartana, é mais leve para encarar terrenos acidentados.


APAGÃO
O câmbio das duas motos é preciso, mas o da XTR ganha em maciez. A troca de marchas na Ténéré, principalmente em baixa velocidade, produz um estalo muito forte. As duas motos exigem a troca constante de marchas e não é aconselhável deixar cair a rotação, pois o motor “apaga” mesmo em movimento. Aconteceu duas vezes comigo na Ténéré. Levei um susto, pois uma vez estava em uma curva e na outra tinha uma fila de carros atrás.

Outro detalhe que incomoda na Ténéré é ter apenas uma saída de escapamento do motor, o que acaba concentrando todo o calor no lado esquerdo, esquentando a perna do piloto e do carona em qualquer velocidade. Na XTR não há esse problema, pois os dois canos que saem do motor dissipam muito bem o calor.

Ténéré 660Z, boa para qualquer terreno, mas gosta mais da estrada


EQUIPAMENTOS
Parece até que a XTR está levando vantagem em relação à Ténéré, mas não é bem assim. O farol da estradeira ilumina muito bem. Não que o da XTR seja ruim, mas o da Ténéré é superior. Ambos os painéis são digitais, mas o da XTR não tem conta-giros e nem marcador de combustível. Vem com o básico, velocímetro, hodômetro total e dois parciais e hodômetro de combustível (F-Trip), uma luz amarela que indica quando entra na reserva (ainda restam 5l) e relógio. Já o da Ténéré é bem posicionado e basta o piloto mover os olhos para verificar os instrumentos. Tem conta-giros analógico e marcador de combustível digital, além de odômetro total, parcial e o de combustível. Um indicador de marchas e um computador de bordo seriam bem-vindos, principalmente por ser uma moto estradeira. 

No quesito frenagem, a Ténéré vem equipada com freio ABS, dois discos dianteiros de 298 milímetros e um traseiro de 245mm. Já a XTR não tem ABS e vem com apenas um disco dianteiro de 298mm e um traseiro de 245mm. Isso significa que, em qualquer freada brusca, o pneu traseiro arrasta. Quanto a parte ciclística, as duas motos apresentam excelente suspensão, estabilidade e capacidade para encarar qualquer terreno.

RESUMO
Por fim, a lendária Ténéré é uma Touring Adventure, com foco em viagens longas com conforto. E devido ao seu estilo imponente, agressivo e belo, chama a atenção por onde passa. Já a XTR é uma trail grande, com versatilidade para o uso no dia a dia, mas que nos finais de semana gosta de brincar na terra. Sem dúvida, as duas irmãs cumprem os objetivos a que foram criadas.


XT 600R, ágil na cidade e fácil de pilotar na terra